Skip to content

IBGE: Sul do país segue sustentando o crescimento da produção de leite

Fonte: MilkPoint

Nesta quinta-feira (14/06) o IBGE divulgou os dados de captação formal de leite para o 1º trimestre de 2018. Nessa pesquisa, o instituto apontou volume aproximado de 6 bilhões de litros adquiridos pela indústria no período, 2,4% superior ao 1º trimestre de 2017. Apesar dessa recuperação, nota-se que o ritmo de retomada da produção vem diminuindo desde o 2º semestre do ano passado (vide gráfico 1), ainda refletindo as quedas nos preços do leite a partir de meados de 2017 e o forte aumento nos custos do concentrado.

Gráfico 1. Captação formal de leite: variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Fonte: Elaborado pelo MilkPoint, com base em dados do IBGE.

Nessa recuperação apresentada no início de 2018, o destaque fica por conta da Região Sul, que apresentou alta de 6,2% na captação em relação ao 1º trimestre de 2017; a Região Sudeste registrou aumento de 0,8% no mesmo período e o Centro-Oeste foi na “contramão” dessa movimentação, tendo queda de 2% na captação de leite.

Detalhando a análise (e como mostra o gráfico 2), 90% do crescimento verificado no volume de captação de leite no país teve origem nos três estados da Região Sul. No Paraná, onde foi verificado o maior crescimento em relação ao primeiro trimestre de 2017, de 55 milhões de litros; a captação cresceu 50 milhões de litros em Santa Catarina e 22 milhões de litros no Rio Grande do Sul. Somadas, as captações de leite em Goiás e São Paulo perderam cerca de 14 milhões de litros no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2017.

Gráfico 2. Variação do volume de leite 1º trimestre (2018 vs. 2017). Fonte: elaborado pelo MilkPoint Mercado, com base em dados do IBGE.

Agora, a valorização nos preços ao produtor vista ao longo de 2018, os preços de concentrado e os impactos da paralisação dos caminhoneiros em maio devem ser determinantes para o ritmo na recuperação da captação formal de leite ao longo do restante de 2018.

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *